• Maria Tereza

THE CATEGORY IS LIVE, WERK POSE!



A série se passa no final da década de 1980, assim como o documentário maravilhoso Paris Is Burning, e possui foco nos Ballrooms. Os balls foram criados para que as pessoas da comunidade LGBT+, que eram excluídas da sociedade, tivessem espaço para celebrar e viver suas identidades de forma livre.

Nas competições, os participantes desfilam no salão com looks de acordo com cada categoria e buscam ganhar vários troféus ao longo da noite. Foi a cultura dos ballrooms que inspirou, por exemplo, o reality show Rupaul’s Drag Race. Porém, enquanto o reality possui o foco na competição, Pose adentra o contexto histórico da comunidade e mostra a importância dessa cultura para os LGBT+ até os dias de hoje.

Esses bailes são momentos de comunicação entre as duas casas que são abrigos para os jovens. Normalmente liderados por mulheres transexuais (mais tarde chamadas de mães), os jovens têm abrigo e comida, além de um sentido de comunidade no qual todos se ajudam. A família tem sobrenome, ou seja, o sobrenome da mãe, e todos os "filhos" têm o mesmo sobrenome.

O seriado possui um elenco super diverso, sendo o maior elenco transgênero da história da televisão, para reforçar ainda mais sua representatividade. Além disso, Pose reverterá sua renda para a comunidade, financiando projetos de combate ao HIV, por exemplo. A realidade de pessoas vivendo com HIV nos anos 1980 e 1990 é muito debatida ao longo do seriado, mostrando como era a realidade da época e como as pessoas portadoras do vírus sofriam discriminação.

E nada mais justo no mês da representatividade falar de uma série que trata justamente sobre isso.