• Gabriela Elesbão

Seis conceitos para entender o Meio Ambiente



O dia 05 de junho é considerado o Dia Mundial do Meio Ambiente. Pensando nisso, separamos pequenas explicações sobre seis conceitos para compreendermos, de maneira geral, alguns debates relacionados ao tema e também à política internacional, para além dos protocolos e acordos estabelecidos pela comunidade internacional.


1) MUDANÇA CLIMÁTICA: A definição básica desse conceito é: mudança significativa no clima, que se estende por um longo período de tempo. Atualmente, essa mudança é resultado de ação humana e afeta o equilíbrio de todos os ecossistemas planetários, causando aumento na temperatura dos oceanos, ondas de calor, furacões mais intensos, atrapalhando o ciclo das chuvas, promovendo a extinção de animais, plantas e corais e facilitando a ocorrência de doenças.


2) AQUECIMENTO GLOBAL: esse conceito está relacionado à mudança climática e também é causado por ação humana. O aquecimento global consiste na alteração da atmosfera da Terra causada pela queima de combustíveis fósseis e a consequente emissão de gases como gás carbônico (CO₂). O CO₂ é absorvido pelas árvores, mas o desmatamento e sua liberação constante na atmosfera acaba por impedir esse processo. Os países que mais colocam gás carbônico no ar são a China e os Estados Unidos. Ambos os países declararam recentemente que unirão esforços para evitar o aquecimento global, mas não estabeleceram medidas concretas sobre isso. As empresas de atividades que mais emitem CO₂ são as mineradoras e petrolíferas. É importante lembrarmos que, por se tratar de uma alteração na temperatura média climática do planeta, o fato de fazer frio na sua cidade, por exemplo, não significa que o aquecimento global não esteja acontecendo, pois os últimos vinte anos foram os mais quentes registrados na Terra e o derretimento de gelo nos polos do planeta está cada vez mais acelerado.


3) ECOCÍDIO: deterioração/morte em larga escala de um ecossistema, causada por intervenção humana, que prejudica a vida dos seres vivos presentes nesse ecossistema, sejam eles vegetais ou animais. São exemplos de ecocídio: o rompimento das barragens da Vale S.A., em Minas Gerais; a poluição dos oceanos pelo excesso de plásticos e outros dejetos, o desmatamento da Amazônia, entre outros. No entanto, é preciso lembrar que a maioria das atividades industriais cotidianas já levam a deteriorações ambientais de suposta menor aparência (FERNANDES, 2019). Há diversos debates na área do Direito Internacional sobre a classificação do ecocídio como um crime de guerra e genocídio ou como um crime contra a humanidade. Outro aspecto desse debate é a construção de uma alternativa às atividades de extração e mineração, bem como a de tentar alterar a forma como nos relacionamos com a natureza, compreendendo que não basta limitar essas atividades, mas encerrá-las.


4) EXTRATIVISMO: essa categoria de análise foi criada na América Latina e se refere a um estilo de desenvolvimento baseado na extração e apropriação da natureza. Para alguns pesquisadores, o extrativismo é um modo de extração de recursos naturais, típico da área das commodities e bastante voltado para a exportação, caracterizado pelo uso intensivo da água, recursos e energia. O conceito foi desenvolvido como forma de mobilização e denúncia contra essas práticas, que facilitam a apropriação e utilização destrutiva da força de trabalho, infraestrutura, natureza e ambiente dos países do Sul Global pelos países do Norte global e reforçam as lógicas de colônia e metrópole dos períodos coloniais. Outro aspecto importante abordado pelo conceito de extrativismo é a relação entre ameaças à democracia e as atividades extrativistas, que desrespeitam direitos humanos, territórios de povos originários, manipulam a participação da população nas decisões acerca dessas atividades e criminalizam movimentos ambientais. Um exemplo dessa situação é a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte (SVAMPA, 2019).


5) AGRONEGÓCIO: de uma maneira geral, o termo agronegócio está relacionado à operação de produção, distribuição e operação de suprimentos agrícolas e pecuários, e os itens produzidos a partir deles. No Brasil, o agronegócio representa uma alta parcela do faturamento econômico e é bastante associado ao ideário desenvolvimentista. No entanto, essas atividades também representam o desmatamento dos biomas brasileiros, invasão de terras indígenas, utilização massiva de recursos naturais, expropriação de terras e utilização indiscriminada de agrotóxicos nos alimentos produzidos. A atividade pecuarista também é a segunda maior causa de poluição atmosférica, sendo que o abate de milhões de animais a cada mês facilita o surgimento de novos vírus causadores de pandemias.


6) MODO DE VIDA IMPERIAL: o conceito compreende que a vida cotidiana nos centros capitalistas só é possível a partir da exploração ilimitada dos recursos naturais, força de trabalho e ecossistemas em outras localidades, especialmente no Sul global. Ou seja, para que os países do centro possam sustentar seu alto consumo e seus ideais de progresso, é preciso que exista uma separação entre seres humanos e natureza, como se esta fosse mera mercadoria e não a condição para a nossa existência no planeta. Além disso, o modo de vida imperial engloba aspectos hierárquicos das imposições políticas, militares e econômicas de origem colonial dos países do Norte global em relação aos países do Sul global, utilizando diferentes perspectivas como raça, gênero e decolonialidade (BRAND; WISSEN; 2021).


Referências:


O que é um Ecocídio?. IHU Unisinos, 2020. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/604835-o-que-e-um-ecocidio> Acesso em: 07/06/2021


ECOCÍDIO/040. Produção de Sabrina Fernandes. Brasília: 2019. Disponível em: <https://youtu.be/4niI0mF85ek> Acesso em: 07/06/2021


MUDANÇA CLIMÁTICA E CAPITALISMO/. Produção de Sabrina Fernandes. Brasília: 2019. Disponível em: <https://youtu.be/UmefT_nOpQ4> Acesso em: 08/06/2021


ILY, Macarena Vidal. China e os EUA se comprometem a cooperar na luta contra a mudança climática. El País, 2021. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/internacional/2021-04-19/china-e-os-eua-se-comprometem-a-cooperar-na-luta-contra-a-mudanca-climatica.html> Acesso em: 08/06/2021


BRAND, Ulrich. WISSEN, Markus. Modo de vida imperial: sobre a exploração dos seres humanos e da natureza no capitalismo. São Paulo: Ed. Elefante, 2021.


O que são mudanças climáticas, e 14 perguntas para entender o fenômeno. BBC, 2019. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-50019998> Acesso em: 08/06/2021


SOUZA, Marcos Antônio. A hegemonia ideológica do conceito de agronegócio como modelo de desenvolvimento prioritário para o espaço agrário brasileiro: notas para um debate. Revista Geografia em Atos. Departamento de Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente, n. 10, v. 03, p. 50-72, jan-abr/2019, ISSN: 1984-1647


SVAMPA, Maristella. As fronteiras do neoextrativismo na América Latina: conflitos socioambientais, giro ecoterritorial e novas dependências. São Paulo: Ed. Elefante, 2019.