• O Não Internacionalista

“Quo Vadis, Aida?” e o massacre de Srebrenica

Você já ouviu falar sobre o Massacre em Srebrenica?


O filme "Quo Vadis, Aida?" se passa nessa cidade localizada na Bósnia e Herzegovina. Durante a guerra da Bósnia e Herzegovina (1992-1995), o exército sérvio utilizou amplamente da estratégia de limpeza étnica para assim formar a grande Sérvia. Srebrenica, durante o período do conflito, era uma cidade considerada safe area pela ONU e também era onde ficava a base da organização.

O ponto de partida do filme é o diálogo entre um político bósnio e um soldado estadunidense, e é aí que conhecemos Aida (Jasna Djuricic). Ela trabalha como tradutora na missão de paz da ONU na Bósnia e Herzegovina e tenta mediar as negociações entre essas duas pessoas. Você não precisa entender o que se diz para saber que muitas coisas estão em perigo, pois o exército sérvio estava avançando em direção à cidade e por ser uma cidade majoritariamente de bósnios mulçumanos, a população corria o risco de sofrer a limpeza étnica praticada pelo exército sérvio.

O filme narra os fatos que ocorreram antes do massacre de Srebrenica e nos mostra por meio de diferentes personagens o medo e a indiferença daqueles que em tese estavam lá para ajudar.

O filme é um retrato muito cru da atuação pífia das Nações Unidas durante a Guerra da Bósnia e Herzegovina. Estima-se que em torno de 8 mil bósnio-mulçumanos que estavam na cidade de Srebrenica, foram assassinados pelo exército sérvio comandado por Ratko Mladic. O longa também retrata as consequências desse massacre até os dias de hoje: além das 8 mil vítimas, muitas pessoas ainda estão desaparecidas e/ou não foram identificadas. “Quo Vadis, Aida?” é extremamente visceral ao mostrar as mazelas do conflito da Bósnia e Herzegovina.

E essa é a dica de filme para você que tem a curiosidade de estudar sobre o genocídio que ocorreu na Bósnia e Herzegovina.